segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

Tarefas complicadas para a nostálgica

Pois é, comecei a escrever nesse blog pelo encanto que encontrei em agendas antigas e quis compartilhar...

Vira e mexe estou lembrando com saudades de tudo que vivi. Se bobear, a nostalgia é tanta que tenho saudade até de ontem...

Não sei por que tenho isso tão forte comigo. Pode ser a ansiedade pelo futuro, que não me deixa ver direito o presente, pode ser o medo do amanhã, pode ser o vício no gosto da saudade...

Hoje tive um ataque de choro incontrolável e assistido, promovido pela minha veia dramática, diante de objetos que me trouxeram boas lembranças...

Em mais uma arrumação do quarto, resolvi liberar espaço e liberar energias, isto é, jogar um monte de tranqueiras fora!

Me deparei com uma sacola gigantesca, toda colorida, que guardava já há alguns anos os meus abadás dos carnavais de Salvador e das micaretas de tantos lugares.

De cara eu sabia o que fazer: entreguei nas mãos da minha mãe e disse: -Joga tudo fora.
Porém ao vê-la no corredor, com a sacolona em mãos, se aproximando do saco de lixo, não aguentei, e a chamei de volta, pedindo pra dar só mais uma olhada antes da "despedida".

Eu sei, eu sei que não é saudável esse apego às coisas, tento me desvencilhar disso sempre. E quem já me viu limpar o closet sabe que sou um sucesso nessas horas. Mas com os abadás, tive dificuldade, assumo...

Enfim, sentei no chão, despejei a sacola à minha frente e olhei um por um, lembrando dos dias, das companhias, dos blocos, dos hotéis, das músicas, dos cortes (bem e mal sucedidos), das garrafas de água jogadas na cabeça, do calor, do sol, dos esquemas de maluco que a gente fazia e de tudo mais...

Confesso que guardei uns quatro ou cinco especiais... O primeiro Camaleão, o Me Abraça mais bonito e o mais bem cortado de todos, pela Helena, em 2006 (a história de como ela cortou, deixo pra ela contar...)



Ah, que bom você chegou...

5 comentários:

Helena disse...

Hahaha!
O corte do abadá foi logo após um momento de panico com as trancinhas na cabeça, onde eu beeeeebada falava para vc: Amiga, sabe quando uma coisa te irrita, mas irrita muito. Essas trancinhas tão me irritando. Eu vou tirar... (dando lances em direção a cabeça, com a mesma tesoura de ouro q fez a rainha da costura descer em mim.
Não me pergunte como fiz aquilo, eu só sei q fiz e todas ficamos bem satisfeitas com o serviço ;)
Bjs
Ps. mas ainda acho q deviamos ficar mais um dia para eu conhecer melhor aquele baiano. Afffff
ps. 2 me deu preguiça de colocar os acentos.

Helena disse...

Me esqueci de dizer q fiz uma limpeza dessas semana passada. Foi muito dificil, ainda mais pq mexi em coisas do trabalho, passado q prefiria por enquanto deixar naquela caixinha. por outro lado foi bem libertador!
bjs
Eu de novo
ps. nao coloquei acentos de novo

Clarissa disse...

sei bem oq sentiu... eu fiz uma limpeza dessas há pouco tempo... não pensei, só deixei minha irmã botar tudo no lixo... eu mesma não iria conseguir... quer saber? não ta fazendo falta! ahahahahaha

Fernanda disse...

Ai, amiga...
Joguei os meus fora, tbém.
Como diria o Padre Marcelo "saudades, sim.... tristeza, não".

beijos

Paula disse...

Ai, Ká....
Eu também joguei fora os meus.... mas nem foto tirei....que dor no coração!
Que dor, que dor!
Mas temos que tirar tudo que temos de velho para dar lugar ao novo, né?
Pena que nem sempre é tão fácil assim!
Bjos