terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Oktoberfest, a minha tradição!

Pois é... quando eu saí de Munique o ano passado, brinquei com todo mundo que estava topando convites pra voltar em 2009, mas meio descrente que isso fosse realmente acontecer.

Quando comecei a planejar a viagem com a Dani, de cara ela sugeriu a Alemanha, um país que ela ainda não conhecia (e pra quem conhece a Dani sabe como isso é raro). Daí pra Munique e pra Oktoberfest foi um milésimo de segundo!

Então, a chegada em Munique foi mais uma daquelas complicadas... A rua já estava lotada de gente, aquele monte de "alemões e alemoas" vestidinhos bonitinhos a caminho da festa.
Conseguimos achar nosso hotel com facilidade, o que foi difícil foi achar uma vaga pra "máquina" no estacionamento (era um mini Iguatemi, quase tive um ataque claustrofóbico). Finalmente, no 6o. e último andar, rolou uma vaguinha... Ufa!

No check in no hotel, mais uma surpresa: devido a ameaças terroristas, teríamos que abrir a mala para um segurança checar.
Gente, era uma mala já de 10 dias... tava beeeem bagunçada, com roupas íntimas voando pra todos os lados! Mas, vamos lá... Segurança é segurança, certo?
Aí veio o momento segurar o riso histérico: o senhor responsável pela revista, muito sério e compenetrado, simplesmente colocava a mão por cima da mala aberta e fechava os olhos... Uma coisa meio Medium, meio Dead Zone, meio sobrenatural. Eu, fazendo mil piadinhas pra disfarçar o costrangimento daquela bagunça generalizada e ele maior concentrado... Medo!

Corremos pro quarto, nos arrumamos rapidinho e saímos ansiosas pra festejar.
Chegando na festa, caminhamos um pouco pelo lado de fora, olhamos as barracas e rimos com os trajes típicos. Logo depois, o desbunde: entramos no primeiro galpão.
A sensação é indescritível! Aquela grandeza, a música, a luz, as garçonetes passando carregando várias canecas ao mesmo tempo, as pessoas subindo nos bancos pra dançar, os brindes... e a melhor lembrança: aquele cheeeeeiro de cerveja!
(((Preciso deixar claro que eu odeio cerveja em qualquer outra situação, ok? Mas lá eu amo com todas minhas forças.)))

Sei que ficamos andando por todos os galpões, uma caneca em cada um. Descobrimos o que tocava menos música alemã e ficamos por lá. Aliás, aqui cabe um parênteses: eles têm loucura por duas músicas já meio passadinhas: Hey Baby e Angel, do Robbie Willians. Tocam em TODOS os galpões, a toda hora... impressionante!

O ponto alto, além do tradicional Ein Prosit (em que todo mundo levanta a caneca e brinda como se não houvesse amanhã), era uma música que eu achei que NUNCA fosse conseguir encontrar, mas consegui! Chama So a Schoner Tag. Eles fazem umas dancinhas muito engraçadas (como a gente no Na Mata), me matei de rir lá e estou me matando de novo agora. Pior que gruda na cabeça e cantar em alemão ainda não está entre as minhas habilidades!

No segundo dia de Munique, tínhamos o grande compromisso: ir buscar a Helena no aeroporto.
Então de manhã, demos umas voltas pelo centro da cidade, vimos o tal do espetáculo da Marienplatz, o Glockenspiel. O centro lá é lindo, várias lojas legais e ruas só para pedestres.


Depois de uma passada básica na Theresienwiese (a "praça" da Oktober), compramos um tíquete de metrô que nos dava direito a várias viagens e fomos até o aeroporto.
Desnecessário comentar limpeza, organização e pontualidade do transporte público, né?
Então tá...

O capítulo da chegada da Lê e dos dias seguintes fica pra próxima.
Vale um post especial, de qualquer maneira...

O que deu muito certo?
A dieta alemã. Eu provei que posso viver com base em 4 ingredientes essenciais: salsicha, cerveja, batata e mostarda. Juro. Desde o café da manhã. Funciona que é uma maravilha. (E, por favor, aquela alergia violenta que eu tive dias depois não teve nada a ver com isso, tá?)
O frango assado da Oktober também é um arraso; o pretzel que combina perfeitamente com a cerveja, um sonho; os sanduíches das mais diversas salsichas, inesquecíveis.


O que deu muito errado?
Não ter feito reserva para os galpões. Como era o último final de semana, a festa estava lotadíssima. No último dia, inclusive, as portas dos galpões se fecharam às 16 horas e não entrava mais ninguém. Tivemos que ficar tomando cerveja do lado de fora mesmo.

Nota para a próxima viagem (em 2010, certeza)
Na verdade são duas:
- Ir mais pro começo da Oktober, como em 2008. Dá pra curtir com mais tranquilidade.
- Levar um vestido típico de alemã, ou comprar um lá. Acho que eu ia ficar maior simpática com ele!

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Só uma observação...


Interrupção bem rápida nos posts da viagem, só pro que deve ser dito.

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Na Saxônia, a cidade de Bach

Antes de começar a falar sobre Leipzig, preciso falar do caminho que nos levou até lá.

As estradas da Alemanha são realmente tudo que falam por aí.
Todo mundo corre loucamente, é um festival de carros lindos, novos e potentes.
O que é surpreendente mesmo é a educação deles no trânsito. Primeiro: não se ouve uma buzina!
Não que fosse o nosso caso (de maneira alguma), mas tem um monte de turistas perdidos nas ruas, andando devagar e esperando o gps falar qual é o próximo passo. Mesmo assim, ninguém buzina.
Todo mundo se mantém na faixa da direita, independente de quantas faixas a estrada tem. Cada um faz sua ultrapassagem e volta. Simples assim.
Outra coisa, como há muitos trechos em obras, muitas vezes a estrada fica reduzida a uma ou duas faixas apertadas. Mesmo assim todo mundo é muito civilizado. Ninguém tenta correr mais do que o outro e todos respeitam os limites de velocidade impostos (mesmo que você esteja a 180 km/h, na hora em que aparece a placa de 80km/h, todo mundo reduz).
Outra coisa que faz toda a diferença: a sinalização. Se o GPS morresse (como morreu várias vezes), a gente chegaria nos nossos destinos da mesma maneira.


Ok, isso esclarecido, vamos enfim para a chegada a Leipzig.
Nessa viagem testamos um esquema bem diferente: sem plano, sem hora, sem destino.
Não tínhamos hotéis reservados, nem roteiros definidos, certo? Então quando entrávamos na estrada, qualquer coisa poderia acontecer. Tudo no nosso ritmo.
Saímos cedo de Munique, com o carro cheinho de bagagem (agora éramos 3, a Lê estava conosco).
Logo quando pegamos a estrada, paramos num posto para encher o tanque. Lição número 1: aqui tudo funciona na base da confiança: primeiro você enche seu tanque, depois vai pagar lá dentro da lojinha.
Lição número 2: ao lado de cada bomba tem um balde com um rodinho pra cada um limpar seu parabrisa. A reação das meninas quando saíram do banheiro e me viram com o rodinho em mãos, fazendo o maior esforço pra não deixar nenhuma sujeirinha no vidro foi impagável. Pena que não tiramos fotos desse momento (nunca imaginei que ia me dar bem como frentista).

Os postos lá são muuuuito legais. Depois desse, paramos em um para almoçar que era super divertido! Vendia de tudo, de perfumaria até bebida (até licor de maconha).
Com todas nossas paradas e sem pressa nenhuma, acabamos chegando a Leipzig só no finzinho da tarde. Logo o gps nos mandou pro centro antigo e milagrosamente logo achamos um estacionamento pra largar "a máquina".

Leipzig é a cidade do Bach, para muitos, o maior músico que já existiu. Com a minha mãe pianista e outros pianistas passando pela minha vida, posso concordar com esse título.
Ninguém sabe muito bem onde Bach está enterrado (aqueles mistérios da história), mas na igreja de São Tomás tem uma lápide em sua homenagem. Infelizmente, quando cheguei lá a igreja já estava fechada...

Na praça da cidade estava rolando uma festa com música, bebida e comida. Como era sábado, estava cheio de gente na rua, uma delícia.
Andamos pela feira que cercava a festa, comemos um pão estranho que todo mundo estava comendo e fomos parar numa ruazinha cheia de gente, cheia de pubs e restaurantes. Sentamos na primeira mesa vazia que avistamos e ficamos lá batendo papo e tomando cerveja até a noite cair definitivamente.

O mais divertido de Leipzig é que não deve chegar muito brasileiro por lá, pois em cada lugar que passávamos, causávamos uma certa curiosidade de quem estava em volta: - afinal, que língua elas falam? - Teve gente que até veio perguntar, as caras de espanto eram incríveis! Nos divertimos com isso...

O que deu muito certo?
Chegar e largar o carro no estacionamento.
Estávamos perdendo muito tempo quando chegávamos numa cidade e íamos logo procurar hotel. Em Leipzig só fomos procurar o hotel lá pela meia-noite, depois que já tínhamos visto e andado tudo que queríamos. Assim conseguimos aproveitar mais.


O que deu muito errado?
Não ter chegado a tempo para ver a Igreja de São Tomás nem o Museu Bach.

Nota para a próxima viagem
Não acreditar tanto no gps quando ele sugere um hotel um pouco mais afastado...
Fomos parar num lugar muuuuuito assustador, cheio de fog e campos abertos (pra quem lê Twilight como eu, um lugar onde facilmente encontraríamos lobisomens e vampiros).
Ok, era um best western que estava lá no meio. Mas a chegada lá foi muito bizarra, assim como a decoração do quarto, que devia datar da época do Iluminado!

Atendendo ao pedido feito no comentário da Lê, aí está a estampa inspiradora!

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

Berlim, a cidade do futuro

Bom, já que eu comecei a escrever pelo final, vou continuar nessa ordem anti-cronológica, meu TOC não me permite mudar de ideia a essa altura do campeonato...

Cheguei a Berlim dirigindo, encantada com as estradas alemãs e ainda não muito conformada sobre ter que ficar na pista lenta quando dirigindo a 140 km/h.

De cara já percebi que aquela capital seria diferente de todas as outras...
Uma cidade que foi a sede de um governo traumático, que foi destruída pela guerra, depois dividida e governada por quatro países diferentes ao mesmo tempo... Eu esperava uma cidade triste, arrasada, cheia de recordações dolorosas, destroços e só.
Felizmente, eu estava muito errada!
As recordações? Elas estão lá, sim, mas como cicatrizes, como propulsoras no plano de criar uma cidade perfeita.

Nosso hotel era muito perto do Checkpoint Charlie. Foi por lá que começamos a explorar.
Logo vimos no chão a marca por onde passava o muro, e nas paredes as fotos de como era a região no passado. Ao passar em frente ao museu, alguns arrepios ao ver pedaços do muro e um aperto no coração vendo a foto de um soldado americano passando um chocolate entre as grades para uma criança do lado soviético.
De lá saímos andando, porém um vento violento encerrou nossos planos do dia. Entramos num shopping e nos entregamos à combinação clássica que desde Munique estava fazendo nossa alegria diária: Wurst, Kartoffeln und Bier.

No dia seguinte pegamos um daqueles ônibus turísticos, que levam a todos pontos importantes e turísticos. Aí sim eu posso dizer: Berlim é uma cidade especial! Ela passa uma energia diferente, algo que até agora não consigo definir, mas que é facilmente perceptível. Uma impressão de liberdade, de novidade, de arte... tomou conta de mim. Tudo de bom.

Saí da primeira volta do ônibus boquiaberta. Não conseguia nem falar (só de lembrar me emociono). É tudo muito belo: a Catedral, o memorial do holocausto, o parlamento (que depois visitamos), o portão de Brandemburgo, a ilha dos museus, a embaixada britânica, a Kaiser William Memorial Church, as novas construções misturadas com as antigas, o zoológico, as avenidas lindas e largas e, como não poderia faltar para o meu delírio completo, a loja gigaaaaaaante KaDeWe (no quesito compras, preciso ressaltar que tem até uma Lafayette na cidade).

Um outro milagre aconteceu em Berlim: deixei de lado meu visual turistolândia/mendigolândia (um clássico da moda viagem) e saí arrumada pra rua. Deu vontade!


O que deu muito certo?
Fazer comprinhas na Lafayette Gourmet e no supermercado Kaiser's para preparar "o jantar" no hotel. Conseguimos economizar um pouquinho e ao mesmo tempo experimentávamos um monte de bobagens que descobríamos pelo caminho (queijos, salames, balinhas haribo, pães, bolachas, chocolates).
Não, realmente não eram as refeições mais saudáveis do mundo, mas para quem já estava comendo salsicha no café da manhã, acho que não ia fazer muita diferença. Além de tudo, sem essa "pesquisa" eu nunca descobriria que existe na Terra um Lindt que é horrível: blueberrie com lavanda (eu JURO que eu não vi que tinha lavanda escrito).


O que deu muito errado?
Nada deu errado, foi tudo muito perfeito! Até o dia que eu saí pra andar de vestido e bota deu certo (só porque eu achei um all star me esperando no meio do dia).
Fiquei meio frustrada só com uma coisa: não ter conseguido curtir a vida noturna de lá. Pelo que vi e senti da cidade, as pessoas de lá devem ser muito interessantes! Mas como havíamos acabado de sair da Oktoberfest, ainda estávamos um pouco de ressaca e acabamos deixando esse programa para a próxima vez...

Nota para a próxima viagem:
Pelo menos uma semana em Berlim. Pelo menos!


PS: Para quem ainda não viu, o álbum de fotos está aqui.

terça-feira, 20 de outubro de 2009

London, London

Bom, começando pela última cidade, que está mais fresquinha na lembrança.

Nossa chegada em Londres foi um tanto conturbada, porque chegamos num dia bem clássico londrino: bem cinza e chuvoso.

O caminho pro hotel, no entanto, foi ótimo. Passamos pela Harrods, pelo Hyde Park, vi um monte de cabines telefônicas e ônibus double deck. De longe, no fim da rua, ainda deu pra ver o Big Ben e a London Eye. Ah, e senti aquele desespero clássico ao notar todo mundo dirigindo, virando e ultrapassando do lado errado da rua, que aflição!

Minha primeira compra foi um guarda-chuva bem turistolândia, escrito I LOVE LONDON, em pleno Picadilly! Em meio a mil guarda-chuvas e turistas, não consegui nem ver direito os luminosos e quase fui atropelada mil vezes até aprender a obedecer religiosamente o sinal de pedestres e descobrir que a dica de pra que lado olhar estava lá o tempo todo!

Só parou de chover no comecinho da noite, deu tempo pra sair e dar uma olhada na cidade pela Hungerford Bridge. Caiu meu queixo pela primeira vez. Com céu cinza e tudo.


No dia seguinte, ao caminhar e observar, tive minha primeira impressão sobre a cidade: ela é hostil. As pessoas que circulam estão num vale tudo insano pra sobreviver. Ninguém se olha muito, ninguém para pra admirar, muito pouca gente sorri e muita gente se esbarra no caminho. Todo mundo está muito determinado. E ninguém tem muito tempo a perder.

Com o passar dos dias, fui presenteada com algumas boas surpresas que adoçaram meu olhar:
- há muitas pessoas simpáticas e carinhosas (eu adoro ser chamada de darling),
- tem muita gente bonita,
- os bons pubs se escondiam bem atrás do meu hotel (em ruas minúsculas, escondidas),
- a troca da guarda é emocionante (e é muito surpreendente vê-los tocando ABBA e O Fantasma da Ópera),
- o Tate e a Saatchi Gallery são lugares pra perder muitas horas,
- a feira de Portobello é uma bagunça deliciosa, assim como Covent Garden no fim-de-semana,
- a Oxford Street é pra gastar sola de sapato, enquanto a Harrods é pra encantar os olhos.

Mesmo cansada pra caramba, me deixei levar pelo ritmo meio frenético da cidade e acabei enxergando o encanto por trás daquela primeira impressão tão dura.

Já estou planejando a próxima visita, afinal de contas deixei minha amiga amada lá (numa cena de soluços que nunca vou esquecer).

O que deu muito certo?
O jantar no Gordon Ramsey at Claridge's. Desde o esquema da reserva online, tudo perfeito! Tomei um bloody mary incrível e a comida me deixou andando nas nuvens, desde o pão (de azeitona e cebola) até a sobremesa (brulée de canela com sorvete de pera).
Infelizmente, o prato que eu sempre quis provar (e que derruba todos os pupilos do Gordon), o Beef Wellington, tinha acabado. Pedi um trio de cordeiro que me fez muito feliz. Se aquilo não for pecado, não sei o que é!


O que deu muito errado?
O Hotel Citadines. Pela localização é até injusto que eu diga que deu muito errado, porque ele era perto de tudo, próximo a Trafalgar Square e fácil de chegar em duas estações de metrô e inúmeras paradas de ônibus. Tudo isso tinha só uma leve pegadinha: como o Citadines é um flat, eles não vêem necessidade em arrumar o quarto todos os dias, apenas uma vez por semana. Ok, o apartamento foi apelidado de cafofo e seguimos rindo da bagunça.

Nota para a próxima viagem:
Londres deve ser a primeira parada!

Home, sweet home!

Bom, finalmente em casa!
Ufa... como estava cansada! Nos últimos dias de viagem, comecei a entrar na falência total: dinheiro acabando, pés doendo, joelho falhando, uma alergia nova a cada dia, curto circuito mental, sono crônico, intolerância culinária, etc e tals...

Hoje faz exatamente uma semana que cheguei na minha linda casinha! Ainda tenho um pouquinho de alergias e um pouco de sono atrasado, mas já estou quase 100%! Não há chatice que resista a um abraço de pai no aeroporto, à comida da mamãe, à minha cama deliciosa e aos meus travesseiros deliciosos. Isso sem contar o poder reparador que tem o reencontro com os amigos, com as baladas, com as besteiras, com as músicas, com as loucuras (capítulo especial essa semana).

Obviamente eu pretendo escrever de todos os lugares que fui, mas não estou em condições de fazer muitas promessas, afinal de contas a partir da semana que vem começo mais uma temporada de estudo.

Antes de tudo, vou dar mais uma olhada nas fotos, dar uma arrumada básica nas que ficaram estranhas e tals... Mas volto logo logo.

See you soon!

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Mais um pouquinho...

O post foi escrito ontem, mas só hoje consegui passar a limpo:

Mal passou uma semana de viagem e já fiz e vi tantas coisas diferentes que renderiam mil posts.
Felizmente tempos tido a sorte de pegar hotéis com wifi, mas o tempo é curto para atualizar tudo que acontece.
Inclusive hoje, ao chegar aqui no lindo hotel de Salgareda, percebemos nossa total dependência de tecnologia. Antes mesmo de perguntar se o quarto tinha cama e chuveiro, perguntamos se tinha internet. Depois da resposta afirmativa, atéo preço fica irrelevante, assim como foi ontem em Cortina d'Ampezzo e antes disso em Innsbruck.

Hoje conheci Veneza. Não estava nos planos, mas foi um dia perfeito.
A liberdade de não ter planos tem sido maravilhosa, me reservou surpresas como essa.
Ao sair de Paris, decidimos pular Salzburgo, que seria o próximo destino, depois de pegar o carro em Munique.
No fim, essa acabou sendo uma decisão genial, porque se Salzburgo fosse ainda que um pouco parecido com Innsbruck, eu não iria aguentar os dois dias planejados lá.
A Áustria é linda, sim. Não me arrependo de ter ido, porém as pessoas de lá me pareceram meio estranhas e o público-alvo de seu turismo engloba dois grupos em que não me encaixo: a terceira idade de um lado e os aventureiros, escaladores e ciclistas do outro.
O dia em Innsbruck me rendeu meu único delírio consumista até agora: Swarovski.
Sim, eu passei impune por Paris.
Sim, há grandes chances de que eu tenha sido abduzida.

Saindo da Áustria, pegamos a estrada tortuosa (bota tortuosa nisso) para a Itália.
A paisagem era linda. Começou com cidades pequeninas nas encostas das montanhas e depois ofereceu lindas visões de lagos verde-água (da exata cor do lápis da caixa de 36).

Quando começamos a ver as famosas e estranhas montanhas "dolomitas", resolvemos que Cortina d'Ampezzo seria a próxima parada.
A recepção não foi das melhores, porque enquanto íamos à Central de turismo e ao hotel sugerido por eles, levamos uma bela multa. Mas aí era a hora da Miss Mossoró tomar conta. Ela amassou a multa, jogou no fundo da mochila, saiu pra passear e tomar um cappuccino.
Lá é uma cidade que lota na temporada de neve, e as lojas muito chiques (e caras) provaram que é um ponto turístico de primeira!

Comi minha primeira massa na Itália. Não foi espetacular, pois a dona do hotel nos indicou um restaurante traçando nosso perfil pelas roupas que vestíamos (MENDIGOLÂNDIA plus style).
Não posso culpá-la, afinal de contas nunca errei tanto na previsão do tempo pra mala antes, então estou realmente passando por dificuldades com as vestimentas.
Os DOIS casacos que vieram na mala estão EXATAMENTE como saíram de casa.
Ótimo, o Murphy viajando comigo mais uma vez.

Saímos de Cortina pela manhã. O plano era passar para visitar uma amiga (Alexandra) que veio morar aqui há um tempo, em Salgareda, e depois seguir a viagem para Verona ou Milão.

Mas planos? Pra que planos?

Chegando na padaria do marido da amiga (Lucca), onde ambos trabalham, fomos recepcionados com gritos de alegria, pulos, etc e tal... O reencontro é mesmo uma explosão de emoção. Fico me perguntando como será quando eu e a Lê nos encontrarmos...

Conhecemos a cozinha da padaria que, pra gordinha aqui, mais pareceu o paraíso! Aromas, cores, pães, doces, fornos gigantes, massas, suspiros... Tudo lindo! E apetitoso, lógico!

Depois disso, fomos para o apartamento da Alê e ficamos batendo papo, ouvindo dela as dores e delícias da vida por aqui (muito mais delícias, acreditem).


Amanhã eu termino...
Não é fácil digitar no quarto todo escuro!

domingo, 20 de setembro de 2009

Direto de Paris

De todas minhas chegadas tumultuadas em viagens, essa vai ficar pra história...
E não é que eu chego em Paris exatamente no dia da TecnoParade (mais conhecida por nós como Parada Gay)?
Então, lá estávamos nós, paradas há horas no trânsito, ainda distantes do centro da cidade, sem nenhum sinal do humor que sempre foi nossa marca registrada.
Com o passar do tempo (e dos euros no taxémtro), resolvemos rir. E tirar fotos. E rir mais um pouquinho. Aí quando vimos já estávamos perto de todos aqueles lugares que tocam nosso coração. As esquinas dos nossos apartamentos, os mercados, os cafés, os caminhos.
Falar que eu me senti como um filho voltando pra casa é exagero. Me senti como uma pessoa que reencontra um amante, aquele que te tira o fôlego e mexe com todos seus sentidos.
Assim é Paris. Uma vez que você olha ao seu redor, tudo mais perde a importância.É mágico. Juro. E acho que todo mundo fica assim, estupefato. Basta olhar a quantidade de máquinas fotográficas penduradas nos pescoços. Não há cidade como Paris pra ter tanto fotógrafo. Me divirto vendo todas as máquinas, lentes e tripés desfilando. E os pobres operadores se jogando no chão e fazendo malabarismos para tentar captar o que talvez ninguém tenha captado antes.
Deixamos afoitas as coisas no hotel e saímos pra reencontrar as ruas cheias, movimentadas.
Sábado, um sol delicioso, todo mundo cor seu sorvete Berthillon na mão. O meu, sempre clássico, morango e chocolate.
De noite, mais voltinhas, o Marais fervendo de gente estranha, de gente louca, de turistas enlouquecidos e de parisienses adoráveis.
Adorável mesmo é o jeito deles de assumir que grande parte da graça da cidade está em assistir as pessoas passando. Não tem sequer uma cadeira de costas pra rua. A diversão é assistir. Posso falar que é uma atividade espetacular. Cada "coisa" que passa... Inacreditável.
Hoje descobrimos o Salon des créateurs de mode, um espaço como era o começo do Mercado Mundo Mix, de moda moderna.
Me encantei com um acessório que estava fazendo o maior sucesso entre as francesas.
Vou levar a moda pra casa!

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

TOC

Acho divertido prestar atenção nas datas...

Adivinhem onde eu estava nesse mesmo dia 18 de setembro do ano passado...


Vamos criar uma tradição para todo setembro?

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

Hey ho, let's go!

Há aproximadamente 10 anos, Deus colocou no meu caminho uma amiga que de cara eu soube: ia ser das boas!
Desde então nossa amizade criou laços fortíssimos, inimagináveis, tão reais quanto laços de sangue.

Há exatos 230 dias ela foi buscar sua felicidade além mar, lá longe, na terra da rainha.
Desde então meu coração vive num vai-e-vem sem fim. Feliz por ela estar bem e devastado pela saudade.

Em exatamente 12 horas eu vou entrar num avião e partir para mais uma viagem.
Já em solo europeu, serão só mais 12 dias para aquele abraço, com o qual eu sonho e de que eu sinto tanta falta.
Não sei nem como vai ser. Não sei se vou cair num riso frenético ou num choro descontrolado.
Mas sei que vai ser ótimo.
E então serão mais 12 dias lado a lado.


E eu não vejo a hora... Assim como foi em 2007.
(A foto é do calendário que ela fez pra mim quando eu fui pra Paris. A contagem regressiva pro dia que ela chegaria para me visitar.)

Au revoir... See you soon!

sexta-feira, 11 de setembro de 2009

Youtubando

Um dos meus passatempos prediletos pra hora da insônia é ficar procurando por vídeos diferentes no Youtube.
Como ultimamente descobri alguns especialmente interessantes, compartilhá-los-ei!
(forma verbal de quem faz muita prova da Fundação Carlos Chagas, sorry mas adoro uma mesóclise)

Esse primeiro foi resultado de muuuuuuita pesquisa. Curti muito essa música, toca em um comercial da Fox. Mas sempre esquecia como era a letra para procurar, nunca conseguia carregar o Midomi enquanto passava a propaganda e por aí vai... Até que um dia me empenhei nas pesquisas no Google e consegui! Óbvio que nesse dia vi umas 30 vezes seguidas, mas ainda não cansei.



Já esse próximo me ajudou muito num momento de desespero. Comprei carré de cordeiro num passeio ao Empório Santa Maria. Estava temperadinho, bonitinho, fresquinho. Eu, como boa carnívora, não resisti e o trouxe pra casa. Só tinha esquecido o pequeno detalhe: não fazia idéia de como preparar. Chef Gordon Ramsay (que by the way eu amo de paixão) me salvou em poucos minutos. Ainda tem uma palylist com várias receitas dele. Ele é sempre rápido, isso que eu adoro!



Acabei de encontrar esse aqui: a animação da Pixar que passou antes de Up: Partly Cloud. Adorável!



Para pensar um pouco, duas indicações que favoritei na hora. A primeira, do @krisarruda. Revi inúmeras vezes o Barry Schwartz falando a maior verdade de todas: o segredo da felicidade é a baixa expectativa.



E a segunda, a história das coisas, indicada pelo Raul. Incrível!



Pra finalizar rindo, essa descoberta da @julymalta: as versões literais dos clipes. Juro que chorei de rir no dia em que ela me mostrou. Passamos horas vendo quase todos, mas achei esse o melhor, talvez porque tenha sido o primeiro a que assisti (With arms wide open também é ótimo).

Setembro chegou...

Maior vergonha por ter abandonado o blog.
A culpa está me consumindo, podem ter certeza.
Mas é engraçado como isso aqui depende de ritmo. Uma vez que se quebra, fica difícil retomar.

Ontem li Eclipse inteirinho, comecei às 2 da tarde e terminei às 7 da manhã de hoje.
Não conseguia parar. É um romance pra quem tem 15 anos, eu sei, mas é doce na medida certa. Não me deixa com náuseas como as outras histórias...
Hoje passei vergonha na livraria, quando me vi cercada de adolescentes, olhando uma revista especial da Capricho ou algo do tipo com fotos do próximo filme na capa.

"Take care of my heart, i've left it with you."


Talvez por isso hoje eu esteja me sentindo meio romântica.
Talvez tenha também um outro motivo, uma outra constatação.
Parece que estou vendo tudo tão claro. Tudo tão certo. Impossível não perceber.
Infelizmente nem tudo está tão próximo, mas tenho paciência. Para isso eu tenho.

Enquanto isso, planos de viagem a mil. Logo vou me aventurar por novos lugares e matar as saudades que desde o dia 30 de janeiro desse ano doem no meu peito. Espera, Leninha, que a gente chega já!

Ah, dica rápida: TODOS devem assistir Up. Animação, trilha, história... tudo perfeito! Fiquei encantada.

domingo, 30 de agosto de 2009

Lisboa e meu sangue português

Eu sempre falo pras meninas que há 4 lugares no mundo para os quais eu nunca falo não: Lisboa, Paris, New York e Salvador.

Então, vou aproveitar que hoje minha queridíssima Gabi está indo de mala e cuia para uma temporada em Lisboa e falar sobre essa cidade que, além de ser linda, é umas das duas no mundo em que eu me imagino morando.
Fui pra lá pela primeira vez em 97, com meus pais. A chegada foi super traumática (acho que quase todo mundo já sabe dessa história, mas quem não sabe, imagina os efeitos de uma sopa de brócolis no vôo). Sei que por causa desse começo já achei que a viagem ia ser uma porcaria, além disso eu tinha só 18 anos, queria mais era saber de comprar roupa da Polo, tomar um pouco de sol e voltar cheia de histórias pra faculdade em agosto.
Como eu venho defendendo há tempos, o segredo da felicidade é a baixa expectativa, certo? Pois então, como eu não esperava nadica de nada, me APAIXONEI perdidamente por Portugal.
As ruas, as ladeiras, as pessoas, as palavras, o sotaque, a comida, tudo!
Nunca imaginei que meu sangue português pudesse se revelar com tanta força, mas foi o que aconteceu.

Chorei desesperadamente no dia em que cruzamos a fronteira para a Espanha, eu não queria de jeito nenhum ir embora dali.

Demorei quase 10 anos pra voltar, mas voltei.
Lisboa tem um charme, um encanto, que não consigo descrever...
Andar pela Av da Liberdade, naquele lindo parque Eduardo VII, nas ruas barulhentas do Comércio, no movimento do Bairro Alto, no Oceanário (onde o tempo pára), subir de bonde para olhar a cidade do Castelo de São Jorge, se perder nas escadinhas para voltar de lá, andar no El Corte Inglês, comprar de tudo no supermercado, curtir o fim de tarde nas Docas...


Isso sem falar na culinária portuguesa... Ah, que delícia!!! Os risotos, o bacalhau e os doces... Ai, pastel de Belém...


Mas o que eu mais gosto mesmo é de espirrar em Portugal
- Atchim!
- Santinha!

quarta-feira, 19 de agosto de 2009

Dia da Fotografia

Como eu fui parar nesse mundo, eu não sei.
Talvez estivesse, mais uma vez, seguindo uma paixão do meu pai.
Sempre foi uma das nossas piadas preferidas contar sobre o curso de fotografia que ele comprou pelo correio, pagou à vista e recebeu, de cara, até o diploma.
Mesmo assim, ele tirou fotos lindas. Tem uma da fazenda que é um clássico, admirada por todos.

Enfim... fui parar na Panamericana.
Descobri além de uma paixão, um dom. Não pensava em outra coisa, não queria mais nada.
Se não estivesse tão perto do fim da faculdade, talvez tivesse largado tudo.
Minha vida era direcionada para as 2as e 4as. Eu planejava, produzia, pesquisava, comia e bebia fotografia. E toda essa dedicação foi reconhecida lá, com prêmio, com exposição, com mérito. Orgulho.
E no fim a minha formatura na Panamericana foi muito mais gratificante e emocionante do que a formatura da ESPM, mas isso é uma história longa demais pra ser contada.
Depois de lá, resolvi "morar" no Senac. Mil cursos diferentes, muitos com o "mestre" Clício. Como era bom conseguir arrancar um elogio sequer dele... Que sensação!
Isso tudo sem contar o pessoal desse meio, sempre muito divertido, criativo, único, louco.
Adorava sentar pra bater papo com eles e ver surgirem as ideias mais malucas e extravagantes, inimagináveis!

A fotografia, ainda hoje, é minha paixão mais clara.
É minha atividade mais feliz.
É meu esforço predileto.

Já ouvi mil vezes que é nessa onda que eu deveria mergulhar. Sem medo. Sem ressalva.
Estou me preparando pra isso...

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

Carta para Daniela

Minha prima, amiga, irmã,

Poxa vida, parabéns é tão pouco perto do que eu quero te falar...

Parabéns pelo aniversário? Pela pessoa tão tão tão especial que é? Por ser uma filha tão boa? Uma tia tão gostosa? Uma sobrinha sempre presente? Uma prima perfeita?

Pouco, ainda é pouco...

E se eu falasse que você é "A" companheira ideal para uma noitada bem Neme,
para um passeio em Paris, com ou sem chuva,
para andanças sem fim em New York,
para ficar na beira da piscina no Sauípe, ou no Costão,
para chorar no show de Fado,
para planejar as viagens mais insanas,

para fazer planos mirabolantes,
para passear pelas casas dos tios e tias,
para causar ciúme nas primas (calma, Mirelle),
para me socorrer nos momentos de pânico,

para simplesmente sentar, tomar um café, bater papo e deixar o tempo passar...

Ainda é pouco...

Ainda não falei do amor que as minhas amigas "pegaram" por você. E do orgulho que sai da minha boca ao falar: só podia ser minha prima!
Ainda nem mencionei o bem que as suas visitas fazem para minha casa, para minha mãe, para o meu pai e até pra minha cachorrinha que se sente tão mi
mada com você por perto.

Seus olhos iluminam todo lugar em que você está.
Sua presença emana uma energia inconfundível, um alto-astral, um tudo-de-bom.

O que eu posso mesmo desejar é que o bem que você faz a todos nós retorne turbinado para você, todos os dias.

Te amo com todo aquele exagero Neme de ser.

Eu tenho que agradecer todos os dias. Minha família é um presente.

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

Todo dia é uma montanha russa....

Depois da viagem à Disney e daquele monte de montanhas russas deliciosas que eu e July fomos, começamos a especular quais seriam as características comuns de quem gosta dos tais brinquedos e de quem simplesmente não vê graça ou não se arrisca.
Bom, resumindo a história, acabamos associando nossas próprias vidas com as montanhas russas. Temos momentos de pânico, de ansiedade, de êxtase, de alegria, de loopings e de grandes quedas, grandes vazios.

Ultimamente, cada dia para mim é uma montanha russa, isso tem me irritado demais.
Começo o dia cheia de convicções, que se esvaem com o rodar do relógio.
Lá pelo meio-dia, já arrumei uma nova paixão pra me dedicar. Passo a tarde feliz, me entregando a uma nova ideia, que assim que o sol se põe, também se esconde e perde o sentido.
As noites têm sido sempre confusas. Não sei o que fazer, não sei pra onde ir.
As madrugadas então, são de loucura intensa. Tento colocar os pensamentos em ordem, as idéias no lugar, tento estabelecer prioridades. O sono nem ousa se apresentar diante de tal cenário.
Acho ridículos os questionamentos que tenho perante o futuro. Ridículos para a minha idade, ridículos para a minha situação, ridículos para o meu meio. Mas eles estão ali, me alfinetando a cada passo. Importunando.



Sim, eu gosto dos gritos e acho a excitação essencial, acho que a vida deve ser vivida com paixão.
Mas é pedir demais que, pelo menos por uma semana, a vida seja mais como aquele outro brinquedo, o It´s a small world, com um monte de bonequinhos coloridos cantando em harmonia?

It´s a small world after all, It´s a small world after all, It´s a small world after all...
It´s a small, small world...

domingo, 9 de agosto de 2009

Dia dos Pais

Bom, estou com esse post na cabeça a semana inteira, então acho que é recomendável parar tudo para colocá-lo pra fora. No dia certo.
Eu adoro dia dos pais, acho que é uma data que eu me prendo mais a agradecer do que a comemorar.
Meu pai é uma figura única. Tão única que eu duvido que alguém sofra mais tentativas de roubo de pai do que eu. São primos, primas, médicas, fisioterapeutas, funcionários, conhecidos... Todos querendo ter um pouquinho desse pai também.
Duvido que alguém tenha ouvido tanto quanto eu a frase "seu pai é um pai pra mim". Sim, ele é assim. Ele acolhe com aqueles braços confortadores, conquista com aqueles olhos azuis e assim, quando menos se espera, você já está sob o seu encanto. Ele é irresistível. Apaixonante.
Eu passaria dias descrevendo as tantas qualidades que eu vejo nele e mesmo assim não teria falado tudo. Então, vou só falar algumas particularidades, daquelas que o tornam tão especial...
Só vi meu pai bravo umas três vezes durante toda a minha vida. Duas comigo. Foram o suficiente pra eu me manter na linha esse tempo todo (a segunda e última foi quando eu tinha 17 anos). Isso é respeito...
Ele é um homem que não odeia ninguém. Que não perde a paciência, que não grita, que não despreza. Só o ouvi falando palavrão pouquíssimas vezes.
É simplesmente impossível falar não para ele. Sou escrava daqueles olhos e daquela voz. Sempre fui. Ele também quase nunca falou não para mim... Então estamos quites, acredito.
Ele sempre foi minha segurança, meu exemplo.
Se é verdade o que dizem que em outro plano somos nós quem escolhemos nossos pais, tá aí a minha melhor escolha, não podia ter sido mais perfeita.


Tinha muito mais pra escrever, mas não dá... o nó na garganta não me permite.

sexta-feira, 7 de agosto de 2009

Por quê?

Por que é cada vez mais difícil acreditar e mais fácil desistir?

Por que a vida não é mais como os contos de fada, que as princesas têm um certo tempo de sofrimento definido e depois dá tudo certo?

Por que qualquer tropeço vira um tombo e machuca?


Ai que saco! Tô cansada!

segunda-feira, 3 de agosto de 2009

Neruda

Acho que nunca postei isso aqui...
Mesmo que sim, ainda vale a repetição:

Quero apenas cinco coisas..
Primeiro é o amor sem fim
A segunda é ver o outono
A terceira é o grave inverno
Em quarto lugar o verão
A quinta coisa são teus olhos
Não quero dormir sem teus olhos.
Não quero ser... sem que me olhes.
Abro mão da primavera para que continues me olhando.

Pablo Neruda

quarta-feira, 29 de julho de 2009

Eu respeito!

Olha, pra variar hoje o post é daqueles bem rapidinhos, mas não posso deixar de expressar, nesse momento de puro desespero, a minha MAIOR ADMIRAÇÃO pelos meus leitores/as advogados/as.


Entre as 18 matérias que preciso ter na ponta da língua daqui a 16 dias, 7 são Direitos! E são exatamente as 7 que me tiram o sono...
Contabilidade avançada virou diversão!
Levo na boa todas as pegadinhas de Português.
Tenho a maior paciência com todas as outras matérias, mas os Direitos me tiram do sérioooooooo!!!!
Por isso tiro o chapéu para vocês, advogados! Parabéns, gente de coragem que vê sentido nisso tudo. Eu sou artista, não vejo lógica em nada!
Aliás... era pra ver?
Besitos desesperados...

segunda-feira, 13 de julho de 2009

Só um oi

Mais um posto rapidinho, escrito em meio ao tédio de uma aula inútil...
Pelo menos dessa vez trago boas notícias: já tenho uma data pro fim desse carnaval: 16 de agosto! Ufa! Pouquinho mais de um mês...
Quem quiser rezar, torcer ou mandar aqueeeeela energia positiva, eu agradeço!
E quem quiser mandar zica, cuidado que o meu santo é forte e manda tudo de volta! Hahahaha!

Sei que esses últimos tempos têm sido uma loucura.
Tendo aula aos sábados, domingos e feriados, sinto como se estivesse numa grande semana sem fim, que de algum jeito me lembra daquele filme do dia da marmota.
Criei uns hábitos estranhos, de dormir com livros. Criei dois calos de tanto escrever. Criei uns quilinhos nervosos. Descolei uns amigos divertidos. Descobri que não sei enganar como nerd.

Enquanto isso, as pessoas aqui da classe enlouquecem. Cada um reage de forma diferente ao stress e à pressão.
Até eu, que costumo ser pacífica, quase arrumei encrenca no sábado, com um daqueles irritantes sabichões, que apelidamos carinhosamente de "Eu nasci há dez mil anos atrás", porque não tem nada nesse mundo que ele não saiba demais!

Posso dizer que estou (quase sempre) no pique pra essa prova. Quando beiro a loucura, alguém sempre me dá um conselho pra me trazer de volta.
Já estou pegando as manhas para as provas seguintes, curtindo na medida do possível, descarregando todas energias no sábado a noite e louquinha de vontade de tirar aqueeeeelas férias e ir visitar a Lelê em Londres (ainda mais porque todo mundo que me conhece aposta que eu vou adorar a cidade, além de tudo).

Então, enquanto esse professor de Auditoria está nesse blablabla sem fim (e eu me sentindo o Charlie Brown), vou finalmente escrever o post do abraço, que já está na minha cabeça há um tempinho. Logo logo ele aparece aqui!

Té mais!

quarta-feira, 10 de junho de 2009

Os melhores dias...

Juro que eu queria ter todo tempo do mundo para escrever posts e mais posts de cada um desses dias.

Todos especiais.
Todos inesquecíveis.



Au revoir...

Trocando alhos por bugalhos

Poxa, ando relapsa mesmo com a minha querida Karenlândia...
Já tenho um monte de idéias guardadas nas últimas páginas dos cadernos, e em breve elas vão pintar por aqui! Pouco a pouco elas tomam forma...
Ultimamente, sinto como se tivesse abandonado minhas paixões, mas é necessário. Não há muito que fazer, reclamar, lutar.
O link do blogger aqui no speed dial, me chama todos os dias. Eu faço a maior força pra ignorar.
Minhas gramáticas de francês me paqueram todos as noites, querendo brincar.
Minha tv está cheia de gravações, episódios e filmes só esperando minha atenção.
Tenho um Guitar Hero fechadinho me tentando a toda hora.
Mas, só tenho me dedicado mesmo aos travesseiros e às apostilas (alguns dias mais aos primeiros, alguns dias só aos segundos). Tem sido difícil sair dessa rotina.
Troquei minhas noites de insônia por um sono pesado e regrado.
Troquei meus sábados de farra por uma sala de aula das 9 às 18.
Troquei a ressaca moral clássica dos domingos por uma ressaca mental, intelectual.

Hoje, com esse tempo geladinho, o ócio me chamou e eu não fiz charme.
Passei a tarde vendo filmes (horríveis, como O Albergue), lendo meu novo livro nada light (Os Diários da Heroína, recomendadíssimo até agora) e vendo programas comoventes no People & Arts e semelhantes.
Durante aquelas dicas do intervalo, quando eu estava quase pegando no sono, veio aquela dica de curtir os momentos felizes. São tão poucos, tão raros, tão rápidos...
E daí veio a idéia do próximo post.
Estou separando alguns melhores momentos.
E, como eu já perdi a tarde mesmo, acho que vou fazer um filminho.

Até breve.

sexta-feira, 29 de maio de 2009

Cole Porter

Hoje é só uma música rápida, um sentimento claro.

You'd be so nice to come home to

You'd be so nice to come home to
You'd be so nice by the fire
While the breeze on high sang a lullaby
You'd be all that I could desire

Under stars chilled by the winter
Under an August moon burning above
You'd be so nice, you'd be paradise
To come home to and love

Under stars chilled by the winter
Under an August moon burning above
You'd be so nice, you'd be paradise
To come home to and love

quarta-feira, 20 de maio de 2009

Dia de Chico Buarque

Já lhe dei meu corpo
Minha alegria
Já estanquei meu sangue
Quando fervia
Olha a voz que me resta
Olha a veia que salta
Olha a gota que falta
Pro desfecho da festa
Por favor...

Deixe em paz meu coração
Que ele é um pote até aqui de mágoa
E qualquer desatenção, faça não
Pode ser a gota d'água...

*

domingo, 17 de maio de 2009

Rapidinha

Antes de tudo preciso falar que sim, eu sei que estou super em falta com o blog.
Infelizmente, isso decorre de um exercício que eu preciso praticar, mesmo com que com muita dificuldade: a disciplina.
As ideias não param de brotar e a vontade de escrever surge frequentemente. Mas a disponibilidade de tempo não as acompanha.
Eu sei que se sento aqui na frente do computador passo horas.
Começo a escrever no blog, dou uma passada rápida nos blogs amigos, olho twitter, facebook, orkut... e quando eu vejo já estou photoshopando com toda calma do mundo, ouvindo músicas, descobrindo clipes, assistindo séries.... E a tarde/ noite/ madrugada passou.
Para mim, passa mesmo sem perceber.
Não há como evitar a culpa depois, então é prudente tentar cortar todos causadores pela raiz.
Escrevo agora no intervalo da aula, num bloquinho antigo, com a letra apertada e o texto cheio de rasuras. Mas é necessário. Faz parte de mim. Faz bem.
Tenho aqui nas últimas folhas mil ideias de textos para desenvolver. Espero que não acabem no esquecimento, que não se percam.
Espero que em breve essa maratona desumana de estudar de 2a a 2a renda os frutos esperados e me leve para um novo tempo, em que haja pelo menos um espacinho do dia pra me dedicar às atividades que eu amo.
Hoje é domingo, dia depressivo por natureza.
Está frio.
A vontade que impera é de voltar para a minha cama quentinha, minha tv de 42'' e meu edredom sempre convidativo.
Mil coisas passam na minha cabeça enquanto o professor tenta inutilmente me chamar para ajudar com as contas a resolver.
Tenho sonhos insistentemente recorrentes que me perturbam.
Quando permito que minha imaginação voe, ela vai sempre pro mesmo lugar. Lugar distante, não só no espaço, mas principalmente em tempo.
Pra fugir da angústia, me policio incessantemente.
Mesmo quando toca aquela música na rádio, quando passa aquele carro na rua, quando vem o perfume na memória, quando aparece a lembrança de uma palavra doce...
Sou resistente.
Quero ser durona "quando eu crescer".
Aquela rotina militar do dia-a-dia poderia bem se aplicar à esfera emocional.
Mas é impossível ser racional demais. Ainda mais quando seu livro de cabeceira é Nélson Rodrigues...
É impossível amar e ser feliz ao mesmo tempo

Por enquanto é isso.

domingo, 3 de maio de 2009

Sobre o futebol...


Antes de tudo, eu nasci corinthiana.
Meu pai é corinthiano fanático. Meus dias, principalmente os domingos, sempre foram planejados de acordo com os horários de jogo do Timão. O humor da casa sempre dependeu desses resultados. Quando não do meu pai, dos namorados.
Tive minha fase sãopaulina por um motivo essencial: não ter MAIS um motivo pra brigar com meu padrinho, que adorava pegar no meu pé. Troquei de time lá pelos 15, pra evitar conflito mesmo! Porque só quem conhece o Fernandão sabe como ele podia ser irritante/ insistente/ briguento com esse assunto.
Passei bastante tempo assim. Torce um monte pro São Paulo e parei no dia em que chorei porque o time perdeu. Achei que já estava exagerando e me retirei. Fiquei acompanhando beeeeem de longe o que acontecia nesse mundo, mas sem participar ativamente.
Nunca briguei com os amigos. Nunca fui provocar. Nunca entrei em discussões.
E nunca pude torcer contra o Todo Poderoso Timão, já que a felicidade do meu pai, minha paixão mais absoluta, dependia das vitórias.
Há um tempinho atrás, com a volta do Ronaldo, tive que render mais um pedacinho do meu coração. Afinal de contas, adoro uma história de volta por cima. E adoro ainda mais um jogador que aparece, gordinho, com um cigarro em uma mão e uma cerveja na outra, passeando de iate nas praias de Ibiza. You gotta love him!
Agora, a piece de resistance foi há mais ou menos um mês atrás, quando fui com os corinthianos roxos Jonas e Rê e com a também (ex) sãopaulina Ju ao jogo Corinthians e Santos.
Eu nunca tinha ido ao estádio em jogo grande.
Eu nunca tinha visto uma torcida cantar, pular, gritar, xingar.
É irresistível. Simplesmente irresistível.
Quando me vi, já estava lá gritando também, xingando o bandeirinha, vibrando com os gols.
Ali eu já sabia. A corinthiana em mim estava de volta, não adiantava mais tentar esconder!
Por isso hoje, final de campeonato, lá estava eu! Além dos companheiros anteriores, ainda se juntaram ao grupo minha marida Paula (fanática sempre), nosso segredinho Alê e as lindas Rud e Gabi.
Foi uma delícia.
É uma delícia chegar na Vilaboim, normalmente cheia de arrumadinhos, e ver aquele monte de gente uniformizada cantando, gritando, buzinando.
É bom escolher o melhor lugar pra sentar, pegar as bandeirinhas e assistir ao estádio enchendo de gente, de bandeiras enormes, de crianças felizes, de fanáticos preocupados.
Não tem preço cantar com aquelas mil vozes, sentir aquela energia louca, xingar o juiz, roer as unhas, apertar a mão, coçar a cabeça, olhar pro céu em desespero. Tudo coletivo.
E a hora do gol? Pular, gritar, abraçar, rir com alívio.
Gritar "é campeão" no fim do jogo, sair pulando pela rua, gritar em toda esquina.
Muito muito muito bom.
Por isso hoje eu posso dizer que sou do bando de loucos mesmo.
E estou adorando.
O Timão voltou. E eu também voltei.

Vai Corinthians!

quinta-feira, 23 de abril de 2009

Batendo na porta dos 30

Ufa... É isso! Chegando nos 30...

Esse ano o inferno astral até que passou rapidinho e, como sempre, cheio de gripes, alergias e doenças misteriosas (todo ano a mesma coisa).

Serei enfim uma balzaquiana! Com todo prazer e toda aflição que vem com o título.

Tem aqui uma pontinha amarga, ao lembrar do que achei que aconteceria ns 30 quando tinha 20.
Mas de lá pra cá muita coisa mudou. Minha cabeça principalmente.
Aquele caminho de tijolos amarelos planejado virou uma estrada de curvas sinuosas, quase uma montanha russa, intercalando barranco e arco-íris incessantemente.

Passei por um monte de coisas inesperadas e me orgulho de como saí.
Conheci pessoas, lugares, sentimentos que estavam também fora dos planos.
Aprendi muito sobre mim mesma.
Descolei um pouco de autoestima.

Mas talvez não seja assim tão ruim estar tão longe do imaginado, não é mesmo?
Talvez meus 30 tragam um pouco mais de clareza sobre o próximo caminho a seguir.
Talvez eu continue sem saber...

Pra falar a verdade, não sou muito uma birthday person. Não fico esperando, contando os dias, planejando festa, roupa, companhia, presente.
Lógico que tem um ou dois presentes que eu adoraria receber (na verdade encontrar, ver, pegar), mas esses podem vir em qualquer dia e horário que vão valer do mesmo jeito!
Me animei pra festejar agora a noite, com a notícia da visita da minha prima caçulinha.
Vou comemorar como comemoro todo fim-de-semana, sem surpresas.
Dessa vez com poucas e boas pessoas, que quando me cercam, me dão o maior presente do mundo: uma amizade que dá prazer de ver e viver!

quinta-feira, 16 de abril de 2009

Só uma música...

Cansei de tanto procurar
Cansei de não achar
Cansei de tanto encontrar
Cansei de me perder

Hoje eu quero somente esquecer
Quero o corpo sem qualquer querer
Tenhos os olhos tão cansados de te ver
Na memória, no sonho e em vão

Não sei pra onde vou
Não sei
Se vou ou vou ficar
Pensei, não quero mais pensar
Cansei de esperar
Agora nem sei mais o que querer
E a noite não tarda a nascer
Descansa coração e bate em paz

Descansa Coração
Composição: Simons & Marques
Versão: Alberto Ribeiro

quarta-feira, 15 de abril de 2009

O meu avô

Hoje seria aniversário dessa linda figura, que nasceu há 113 anos.
Meu avô Alfredo infelizmente faleceu quando eu tinha só 2 anos, mas as histórias da vida dele povoaram toda minha infância e guardo com todo cuidado algumas pequenas lembranças de nós juntos bem no fundo do meu coração.
Não devo me aprofundar muito nas histórias, afinal de contas minha mãe as escreve com toda riqueza de detalhes de quem as ouviu do próprio, mas posso garantir que são histórias surpreendentes: cheias de reviravoltas, sapiência, luta, bondade e paixão.

Esse foi um homem que, por causa de um sonho, mandou buscar no Líbano a prima órfã, de 13 ou 14 anos, se casou com ela e criou com maestria uma família de 9 filhos, da qual descendo com todo orgulho.
É o homem que se apaixonou tanto pelo Brasil que "esqueceu" sua língua mãe. Queria ouvir e falar só o português, nunca pensou em voltar.
É o fazendeiro que ajudou tantas pessoas que até hoje quando tocamos em seu nome, ouvimos novas histórias. Sempre emocionantes.
É aquele libanês lindo, alto, de olhos muito azuis e presença marcante, inesquecível.
É o festeiro que reservava mesas no clube pra curtir o carnaval junto com os filhos.
É o fascinado por televisão. Primeiro a comprá-la em Bauru.

E é o meu avozinho que, mesmo doente, ficava comigo no colo e me protegia.
É a lembrança doce.
É um exemplo de vida!
É orgulho.

Amo esse sorriso de carnaval. Dois lindos!

terça-feira, 14 de abril de 2009

Pro dia nascer feliz

Tão bom lembrar dos dias que nasceram felizes, não?
Tem sensação melhor do que ver o dia amanhecer com o coração cheio de amor?



Me dê de presente o seu bis...

terça-feira, 7 de abril de 2009

Sobre a necessidade de parecer forte

Por que nós, chicas modernas, SEMPRE temos que parecer fortes?

Por que, pra variar um pouco, a gente não pode fazer como as crianças e abrir um berreiro quando alguém pisa nos nossos pés?
Por que não podemos ser sensíveis e precisar de ajuda como as mulheres que antecederam a queima de sutiãs?


Com tantas que passamos, é mais que natural não querer parar pra sofrer a cada pedra no caminho. Nem quando as pedras são grandes, nem quando provocam tombos, nem quando são atiradas contra nós. Sempre continuamos a andança, com o olhar inabalável mirando o horizonte.

É meu mecanismo de defesa predileto nunca demonstrar fraqueza. Adoro posar de fortona, independente, inatingível.
Sou tão convincente que convenço a mim mesma. Impressionante!

Até que um belo dia, ao assistir mais uma daquelas comédias românticas previsíveis e meladas, me pego chorando ao fim de cada história... E percebo que aqui, bem escondida, tem uma menina sensível, que só está cansada, mas não perdeu as esperanças.

Aí, comecei assim a semana. Não sei se é tpm, se é inferno astral, se foi consequência do filme, ou se é tudo isso misturado, mas resolvi que vou botar a boca no mundo mesmo! Pra desabafar um pouco de tudo que tenho aqui guardado nos compartimentos mais secretos da minha cabeça e do meu coração:

Não quero desistir, quero um final feliz.

Eu fico chateada quando amigas a quem me dediquei por anos somem da minha vida sem explicação. Eu sinto saudade. Eu sei que é bobeira minha, mas sinto.

Eu acho uma merda ter confiado em quem pediu confiança mais de uma vez, só pra poder perder de novo.

Eu tenho saudade da minha "irmã" que foi parar em Londres. Eu sei que ela está feliz por lá. Mas ela faz uma falta absurda aqui.

Eu sofro porque o que eu sempre quis, mesmo tendo voltado pra perto, ainda parece estar longe demais.

E, ultimamente, eu choro com toda e qualquer história de amor...


Que #prontofalei gigante, heim?

domingo, 5 de abril de 2009

Pedacinho de filme

Girls are taught a lot of stuff growing up.

If a guy punches you he likes you. Never try to trim your own bangs and someday you will meet a wonderful guy and get your very own happy ending.

Every movie we see, Every story we're told implores us to wait for it, the third act twist, the unexpected declaration of love, the exception to the rule.

But sometimes we're so focused on finding our happy ending we don't learn how to read the signs.

How to tell from the ones who want us and the ones who don't, the ones who will stay and the ones who will leave.

And maybe a happy ending doesn't include a guy, maybe... it's you, on your own, picking up the pieces and starting over, freeing yourself up for something better in the future.

Maybe the happy ending is... just... moving on. Or maybe the happy ending is this, knowing after all the unreturned phone calls, broken-hearts, through the blunders and misread signals, through all the pain and embarrassment you never gave up hope.

He's just not that into you
Um filme não recomendado para noites de domingo.

sábado, 4 de abril de 2009

Blogs de Meninas

Hoje vou escrever sobre um assunto muito fofo, cor-de-rosa e doce: esses meus blogs prediletos não só pelo conteúdo (essencial, of course), mas também pelo design lindo, que eu JURO que vou tentar aprender em breve, pra deixar a Karenlândia mais charmosa!

Descobri quase todos esses blogs por seguir as meninas no Twitter. Acho o máximo as fontes que elas usam, os padrões, as cores, os títulos... enfim, tudo! Me lembram muito do capricho que eu tinha com meus diários e agendas (e que ainda tenho um pouco com meus cadernos).

Então, aí vão eles! Quem quiser se deliciar com os textos, reserve um tempo, todas elas escrevem deliciosamente bem.
Se tem algum que eu ainda não conheço, por favor, deixe o link!
E quem souber #comofas pra deixar o blog mais bonitinho, por favor, deixe a dica!

Fake Doll: Meus posts prediletos (que me tornaram leitora assídua) foram sobre a viagem à Europa. Me deliciei lembrando do que já conhecia e fiquei morrendo de vontade de conhecer outros lugares inesperados.

Just Lia: Enlouqueço com os posts sobre design! Às vezes vou parar em belas galerias e fico viajando por horas na arte alheia...

Elfinha: Um blog cheio de cacarecos divertidos, comprinhas e histórias de um pouco de tudo.

Substantivolátil: Adoro o estilo do texto, me identifico com várias histórias e vários pensamentos. Mas o melhor mesmo, pra mim, foi esse último post, da Teoria do Playmobil. Vou adotar pra vida!

Sakura Incubus: Ai, quanta coisa fofa!!!! Só não passo mais tempo lá pra não acabar indo à falência!

Agora, pra terminar, três blogs de amigas de infância, que ainda não existiam quando eu fiz aquela primeira lista lá atrás:

Paula: minha amiga SÓ há uns 28 anos. Conheço bem demais, mas ler seus desabafos sempre me faz ver um outro lado que eu ainda não conhecia.

July: adoro o jeito que ela fala e, consequentemente, escreve. Mas tem horas que nós ficamos tão parecidas nas idéias, manias e afins que até me assusto!

Carol: minha amigona de prédio, que eu sempre adorei, agora ainda dá um insight da vida de casadinha!

Ufa...
Guarde um bom tempo pra elas!
E não deixe de passar aqui...

quarta-feira, 1 de abril de 2009

Inclassificáveis

No meu iPod tem uma playlist que é minha predileta naqueles dias em que fico pensativa demais, que fico encanando demais e esquentando demais.

Pela falta de identidade entre as faixas e entre os estilos musicais conhecidos, dei à lista o nome de INCLASSIFICÁVEIS.

Nela temos algumas músicas estranhinhas, daquelas que ouvi alguma vez em algum lugar, daqueles clipes estranhos do Axn, do Youtube, do Myspace, etc.

Foi assim que há muito tempo atrás fiquei fã do libanês louquinho Mika, minha descoberta predileta! Inclusive essa semana comecei a acompanhá-lo no Twitter e no Youtube também.

Na mesma lista, temos Nick & Norah's Infinite Playlist, Ok Go, Vive La Fete, Lip Dub, The Ting Tings, Bodyrockers, Yelle, Hot Chip e o queridíssimo Emmanuel Horvilleur, que seria o top da lista FREAK, se essa existisse!



É ótima, vai! Eu saio dançando na hora!

segunda-feira, 30 de março de 2009

Mais Rita...

Já falei bastante da Rita no blog, nos posts anteriores e em tudo quanto é ocasião, mas esse post já estava planejado há algum tempo, então lá vai!

Esse último show, Picnic, vi pela primeira vez em São Paulo, em abril do ano passado e repeti agora em Bauru. Achei o repertório maravilhoso! Só sucessos, numa ordem deliciosa, com arranjos belíssimos e algumas surpresas.


Dessa vez tive a paciência de marcar música a música, agora aproveito pra dizer porque cada uma delas é especial pra mim:

Flagra: era uma das minhas músicas prediletas da infância. Gritar o "Cruuuuuuuzes" sempre foi muito divertido!

Nem luxo, nem lixo: "Não quero luxo, nem lixo. Quero saúde pra gozar no final"... E não é o que todo mundo quer?

Saúde: Acho essa letra ótima. E hoje eu tenho certeza que "se por acaso morrer do coração é sinal que amei demais"...

Mutante: É aquela que eu chamo de minha música com toda razão. Sempre foi minha, sempre se encaixou perfeitamente na minha vida, sempre me emocionou. "Ai de mim, que sou romântica..."

Cor de rosa choque: Essa também vem lá da minha infância. De vez em quando sei que passo essa imagem perigosinha de "por isso não provoque"!

Todas as mulheres do mundo: "Toda mulher quer ser amada, toda mulher quer ser feliz!" A parte de se fazer de coitada sou moralmente contra, mas na prática nunca se sabe, as vezes funciona...

Amor e sexo: Poxa, eu amo essa música! Porque a letra é super inteligente, porque é Rita, porque é Jabor e porque a Sonoca a toca sempre no piano!

O bode e a cabra: só pra dar risada de uma versão nada convencional de I wanna hold your hand.

Tão: música nova e adorável... Fala daquelas pessoas que de tão certinhas, tão corretas e tão perfeitas são tão chatas! Super conheço umas assim...

Doce vampiro: fico completamente arrepiada do começo ao fim. A letra é simplesmente perfeita. Tenho tanta vontade de cantá-la para alguém... Canto mentalmente toda vez que a ouço. Nos shows, ela sempre tem um destaque, uma introdução diferente, um instrumento novo. Mas na hora que a Rita solta aquele "venha me beijar", eu desabo, derreto. Emoção pura.

Ovelha negra: tô numa fase muito "não adianta chamar quando alguém está perdido procurando se encontrar". Ótima música pra cantar com toda força, do fundo da alma, até doer a garganta!

Agora só falta você: Ah, todo mundo se identifica com essa música. E o mais gostoso é que quando toca é a hora de levantar da cadeira e sair correndo pra frente do palco. Ficar dançando e olhando pra tudo de perto é tão bom!

Ando meio desligado: "Eu nem vejo a hora de lhe dizer aquilo tudo que eu decorei..."

Mania de você: nem precisa falar nada dessa, né? O que eu curto no show é a dança insana que ela faz, interpretando cada palavra pro pessoal cantar direito. Sim, já percebi que faço a mesma coisa com quase toda música, deve ter saído dessa figura mesmo!

Erva venenosa: ah, como eu conheço esse tipo...

Lança perfume: sempre a música mais pedida e mais gritada. Nesse show, é especialmente emocionante, porque no refrão voam tirinhas de papel prateado pra todo lado. É lindo!

Pronto! Aí está o show!
Ainda tocou Roll Over Beethoven, do Chuck Berry e Vingativa, das Frenéticas.

Mal acabei esse e já estou preparando um outro post com as músicas mais "desconhecidas" da Rita que eu amo. Logo logo posto.

Love Lee Rita


Tomando todo cuidado do mundo pra isso aqui não virar um blog de fã fanática...

domingo, 29 de março de 2009

Os melhores momentos de Orlando

Fui pra Orlando pela primeira vez quando tinha uns quinze anos. Dos 15 aos 20 devo ter ido uma vez por ano, ou até mais, aí cansei da Flórida e fiquei esses quase 10 aninhos sem ir.
Cheguei lá achando que ia ser divertido, sim, mas meio repetitivo, afinal os parques são sempre os mesmos, certo?
ERRADO!
Os parques, em 10 anos, inventaram MUITAS atrações. Tem muita coisa diferente, muita coisa divertida. Fiquei apaixonada por muitos desses brinquedos, como o Soarin no Epcot e o Hulk no Islands of Adventure, novíssimos.
Enfim, vamos lá pras top 3 fotos, escolhidas com muito carinho (e muita dificuldade).

1) Essa aqui pra mim representa a libertação. Cheguei na Disney topando, sim, ir em montanhas russas, com a condição que não virassem muito de ponta cabeça e não fossem daquelas que você vai com os pezinhos balançando.
No segundo dia, já joguei toda essa babaquice fora e fui no Hulk e na Dueling Dragons na Universal, amei tanto que queria ir mil vezes, não parava de falar no assunto.


Mas a top aceleradora de batimentos cardíacos foi essa: Kraken, no Sea World. Na primeira vez, saí rindo muito por ter visto pontinhos coloridos em alguns pedaços do trajeto e por não ter conseguido gritar suficientemente na primeira queda. Obviamente, quis tentar de novo (depois do almoço, mas tudo ok) pra ver se iria conseguir gritar depois de conhecer o que ia acontecer.
Não, eu não consegui...

2) Eu adoro o Mickey, mas... meu parque predileto sempre foi a Universal. Ainda mais agora, com o Islands of Adventure!


Não sei por que, acho a Universal mais charmosa, mais arrumadinha, mais interessante. De cara os personagens lá foram muuuuuito mais simpáticos do que os da Disney (o Mickey, por exemplo, fugiu da gente até o último dia).
Meus prediletos foram: os Simpsons (onde era o famoso De Volta Para o Futuro), a Múmia (fomos duas vezes), o E.T. (que provavelmente acabará em breve), o Shrek, o Hulk e a Dueling Dragons.
Agora entrei no site deles e descobri que logo vamos ter que voltar lá! O Hollywood Rid, Ride, Rockit parece o tipo de brinquedo que me enlouquece... Ainda nem abriu e eu já quero ir!

3) Porque o bom mesmo da Disney é ser criança!
Mesmo tendo ido pra lá pra comemorar nossa entrada na casa dos 30, não tem como não ser criança feliz na Disney!
As musiquinhas, as compras, a mágica, o clima... tudo te leva para aquele mundo perfeito, colorido, de paz, de alegria.
Mesmo com duas amigas super conscientes no grupo (vegetarianas e tudo mais), eu e a Jú não resistimos e fizemos a festa nas guloseimas infantis!


O algodão doce azul que vinha ensacado, o cone gigante de jujubas, os chocolates de todos os tipos, refrigerante no café da manhã, Goldfish a toda hora, mac and cheese, hot dog (do Nathans), Sbarro, donuts e até Taco Bell... Uma delícia!
Isso sem contar os passeios aos supermercados. Nada melhor do que ficar perdida entre aqueles corredores cheios de coisas diferentes... Não só as comidas, mas as utilidades domésticas, a papelaria e, as seções mais amadas: as maquiagens e os remédios!

Bom, vou parando por aqui porque já está me dando muita vontade de viajar...
Qualquer hora posto mais sobre o resto da viagem: a cidade dos velhinhos milionários, a minha ação mais besta como turista e a praia que ferve...

-Deus, se não for atrapalhar, me manda americana na próxima encarnação? Se for na Flórida, melhor ainda!

sábado, 28 de março de 2009

Nights to remember

Bom, deixei passar uma semana e não postei nada...
Tive mais um fim-de-semana perfeito na semana passada: uma noitada cheia de risos, uma experiência novíssima e um final de domingo divertidíssimo, mas conto mais de tudo isso outro dia.
Hoje quero falar de noites inesquecíveis.

Depois de muita história contada hoje e de uma certa distância temporal percorrida, posso falar de duas noites de 2008 que vão ficar pra minha história. E são tão poucas as noites e pessoas que podemos falar que ficarão pra sempre.
Mesmo que eu tenha sofrido um monte depois, e que as manhãs e dias seguintes não tenham sido exatamente como o esperado, hoje consigo ver que tive momentos perfeitos e por isso tenho muito a agradecer.
Engraçado que algumas besteiras totalmente sem sentido acabam tomando muito do nosso tempo e paciência, quando na verdade não passam disso: besteira. Não quero mais perder tempo com isso. Não vale a pena. Não vale o minuto perdido.

O que a gente tem que lembrar e reviver são aqueles momentos que nos tiram do chão, que nos tiram o sentido, e que por mais breves que sejam, chacoalham a sua vida e deixam tudo mais bonito.

Sobre as minhas noites, não posso entrar muito em detalhes, pois nunca se sabe quem pode passar por aqui. Mas acho que o "sinal" que ambas quiseram me mostrar é que é possível amar, que é possível que aconteça comigo.

Depois de muito tempo sem gostar de ninguém, conheci uma pessoa que era tudo que eu sempre quis e nunca soube. Uma pessoa inteligentíssima, divertida, com muita cultura, muitas viagens, muito papo, muito em comum. Me vi encantada como nunca, totalmente identificada, apaixonada mesmo... Só que essa "loucura" talvez tenha me levado à uma empolgação tão nova que acabei exagerando. Acontece. Mas serviu pra quebrar o gelo que se acumulava em volta do coração e a apatia que embaçava o olhar.

Depois de muito muito muito tempo idealizando um amor de criança, tive chance de vivê-lo e foi tudo que eu imaginava e mais. O carinho, as risadas, a dança, o cheiro, o gosto, as coisas que eu sempre quis ouvir e sempre quis falar... tudo como um sonho que se tornou realidade. Um sonho tão perfeito que pedi para um amigo-testemunha me falar no dia seguinte que aquilo tudo era verdade e não ilusão. No fim daquela noite me prometi que, mesmo que não passasse daquilo, eu seria feliz. Não consegui cumprir de imediato a promessa, mas agora já consigo.

Tudo isso porque nesses dias entrei numa onda de desistir.
Covarde sim, mas acima de tudo, cansada.
Resolvi desistir de mim, do meu corpo, das minhas roupas, das minhas investidas, das baladas, dos olhares, das pessoas em volta e tudo mais.
Agora lembrando todos esses momentos percebo que desistir não é o caminho, está longe de ser. Quero mais momentos, quero mais encanto, quero mais amor. E sei que pode acontecer.

Logo há de chegar. Vou voltar a acreditar.